Pesquisar
Close this search box.
Pesquisar
Close this search box.

A carreira de sucesso do Cazuza

Um cantor inigualável na música brasileira, Cazuza marcou seu tempo e até hoje é trilha sonora de grandes filmes, novelas e de vidas! Saiba mais sobre essa história.

 

Um dos maiores poetas do rock nacional e da música popular brasileira, Agenor de Miranda Araújo Neto, mais conhecido como Cazuza, é o símbolo de uma geração que ansiava por liberdade e tinha na sua voz e nas suas letras, as mais belas formas de protesto.

Nascido no Rio de Janeiro, no dia 04 de abril de 1958, infelizmente nos deixou precocemente, no dia 07 de julho de 1990. Um dos maiores cantores, poetas e letristas brasileiros, foi através da banda Barão Vermelho que ganhou os holofotes e ficou conhecido no mundo musical.

Vamos conhecer um pouco mais sobre a vida e a carreira desse que é, para muitos, o maior poeta do rock nacional.

Vida

Filho de João Araújo, um importante produto fonográfico e Lucinha Araújo, Cazuza recebeu o apelido que marcaria a sua vida antes mesmo de nascer. O seu nome Agenor foi dado através de uma insistência da sua avó paterna. E a confusão entre nome e apelido era tanta que nem na escola ele respondia quando era citado na lista de chamada.

Seu nome Agenor só passou a ser aceito pelo Cazuza quando ele descobre, tempos depois, que o Cartola, um dos seus compositores favoritos, também se chamava Agenor. Na verdade, Angenor, mas um erro de cartório impediu essa feliz coincidência.

Cazuza sempre foi influenciado pela música, onde teve como grandes representantes Cartola, Dolores Duran, Lupicínio Rodrigues, Noel Rosa, Maysa e Dalva de Oliveira. Rita Lee também era quem o inspirava.

Com apenas 7 anos, Cazuza já escrevia os seus poemas e versos, onde mostrava para a sua avó. Convivia com grandes nomes da música popular brasileira, como Caetano Veloso, Elis Regina, Gal Costa, Gilberto Gil, João Gilberto e os Novos Baianos.

Internacionalmente, teve forte influência de Janis Joplin, Led Zeppelin e Rolling Stones. Trabalhou na gravadora Som Livre, no departamento artístico, depois foi assessor de imprensa, onde escreveu releases para divulgar os artistas. Em 1979, conheceu a literatura da Geração Beat, os chamados poetas malditos, que tiveram grande influência na sua carreira.

Fez parte do grupo teatral Asdrúbal Trouxe o Trombone, onde, pela primeira vez, cantou em público. Foi indicado pelo Léo Jaime a integrar um grupo que começava a se formar no bairro Rio Comprido. Dele, saiu o grupo Barão Vermelho.

No Barão Vermelho, que era formado por Frejat, seu grande parceiro musical, Dé Palmeira, Maurício Barros e Guto Goffi, no início só tocava covers, mas quando Cazuza apresentou as suas letras ao Frejat, passaram a ter um repertório próprio.

A banda teve um sucesso estrondoso, sendo até hoje considerada uma das principais bandas de rock nacional. E Cazuza ficou na banda até julho de 1985, quando anunciou que iria para a carreira solo.

Se apresentando sozinho, Cazuza finalmente mostrou todo o seu potencial, divulgando as mais belas canções do cenário nacional, ora banhadas em raiva, indignação, ora cantando uma esperança, celebrando a vida e o amor.

Cazuza entrou no hall dos grandes nomes da MPB e até hoje a sua obra é celebrada.

Últimos Artigos

WhatsApp Fale com um atendente