Músicas clássicas de carnaval: conheça mais sobre esta data


19 de fevereiro de 2021


Músicas clássicas de carnaval: conheça mais sobre esta data

Por causa da pandemia, em 2021 não houve Carnaval. Diversas cidades também não aderiram ao ponto facultativo, na terça-feira, com objetivo de evitar que as pessoas promovam qualquer tipo de aglomeração. Mas isso não impede ninguém de ouvir as músicas clássicas de Carnaval, certo?

Pelo contrário, foi possível curtir o clima de festividade em casa. Que tal aproveitar esse momento de isolamento que a pandemia nos impõe para conhecer as músicas clássicas de Carnaval e aprender mais sobre suas histórias, continuando na vibração do Carnaval?

Continue a leitura e confira neste artigo!

 

Como o Carnaval surgiu?

 

Antes de falarmos sobre algumas das músicas clássicas de Carnaval, é interessante conhecer um pouco mais sobre as histórias de origem desta festa brasileira. Embora seja considerada uma festa popular e cultural brasileira, o Carnaval não surgiu no Brasil. Estudiosos acreditam que a festividade surgiu na Babilônia, a partir de duas festas: 

  • Sacéias: uma celebração em que, por alguns dias, um prisioneiro assumia a figura do rei. Vestia-se e alimentava-se como rei e até dormia com suas esposas, mas no final era chicoteado, enforcado ou torturado até a morte.
  • Ano novo na Mesopotâmia: a festa acontecia em um período próximo ao equinócio da primavera, no templo de Marduk – um dos primeiros deuses mesopotâmicos. Na celebração, o rei perdia sua imagem e era surrado na frente da estátua de Marduk. O ritual representava a submissão do rei à divindade. Depois o rei retornava ao seu trono.

As duas festas tinham em comum a troca de papéis na sociedade, como se os personagens se fantasiassem de algo que não eram. Assim como é até hoje uma das principais características da festa. 

No Brasil, o Carnaval começou a ser comemorado no período colonial, com o entrudo. Essa festa portuguesa era comum entre os escravos, que saíam às ruas sujando uns aos outros, jogando lama e urina por toda a parte. A prática foi proibida em 1841, mas continuou sendo realizada até o século XX.

Outra manifestação que deu origem ao Carnaval brasileiro foram os cordões e ranchos, festas de salão, corsos, escolas de samba, afoxés, frevos e maracatus. Esses diferentes eventos ajudaram a formar a cultura e a tradição carnavalesca do país. Em seguida, os sambas, as marchinhas e outros gêneros musicais também foram inseridos na festividade.

Por falar em música, enredos e marchinhas, essas são algumas das principais representações do que é o Carnaval brasileiro, desde a sua origem até os dias de hoje. Algumas músicas clássicas de Carnaval ficaram conhecidas no mundo inteiro e são reproduzidas todos os anos, durante a comemoração. 

A seguir, conheça um pouco mais sobre as músicas clássicas de Carnaval!

 

As histórias das músicas clássicas de Carnaval mais conhecidas do Brasil

 

Abre Alas

 

Abre Alas foi a primeira marchinha de Carnaval a ser registrada no Brasil, em 1899. A autora, Chiquinha Gonzaga, compôs a música para a Rosas de Ouro, escola de samba do Rio de Janeiro. A marchinha se tornou uma das mais famosas da compositora, da história do Carnaval e ajudou a escola de samba a ganhar notoriedade e fazer sucesso.

 

Mamãe eu Quero

 

Também elencada entre as músicas clássicas de Carnaval, “Mamãe eu Quero” foi gravada em 1937, por Jararaca e Vicente Paiva. Porém, só começou a fazer sucesso depois que foi regravada por Carmen Miranda, depois de 4 anos do seu lançamento. Amigos dos autores contam que a música era considerada muito ruim e não chegou a atingir o tempo necessário que era exigido para uma gravação musical. Por isso, tiveram que improvisar alguns trechos para “completar” a música.

 

Cachaça não é água

 

A música foi escrita em 1953, por Mirabeau Pinheiro, Lúcio de Castro e Heber Lobato para os apreciadores da bebida. A música era cantada por Carmen Costa e pelo comediante Colé Santana e foi a campeã do concurso de marchinhas do carnaval daquele ano. Uma confusão com a música fez com que os direitos autorais pagos a outros compositores,  Heber Lobato e Lúcio de Castro. Marinósio teve que se manifestar para conseguir receber seus direitos de autor.

 

Turma do Funil

 

Outra música composta por Mirabeau, mas dessa vez em conjunto com M. de Oliveira e Urgel de Castro, foi a Turma do Funil. A música, que foi composta em 1956,  também foi pensada para as pessoas que gostavam de beber. Na década de 1980, Tom Jobim e Miúcha regravaram a marchinha.

 

Me dá um dinheiro aí

 

Essa é uma das músicas clássicas de Carnaval mais tradicionais na celebração brasileira. Composta na década de 1960, por Ivan, Homero e Glauco Ferreira e gravada por Moacir Franco, a música faz sucesso até hoje.

 

Allah-La-Ô

 

A música de Haroldo Lobo e Antônio Nássara foi composta na década de 1940. A marchinha conta a história de uma travessia pelo Saara e faz uma comparação do calor do deserto com o calor do Rio de Janeiro.

 

Yes, nós temos bananas

 

A marchinha composta em 1938 por João de Barro, o Braguinha, e Alberto Ribeiro, representa o orgulho dos compositores pelo Brasil. Naquele mesmo ano, a música foi um dos maiores sucessos do Carnaval. Com uma crítica bem humorada aos norte-americanos, que chamavam os países da América Latina de “república das bananas”, os compositores exaltaram as qualidades da fruta. 

Gostou de conhecer um pouco da história das músicas clássicas de Carnaval? Entre agora no seu serviço de streaming, ou até mesmo no YouTube, e já comece a preparar a sua playlist para curtir o clima do Carnaval em casa todos os dias do ano!

 

e-book história da música

Comentários