Pesquisar
Close this search box.
Pesquisar
Close this search box.

CIRCUITO DE CÂMERAS: COMO FUNCIONA OS EQUIPAMENTOS

Segurança e zelo pelo patrimônio nunca é demais, especialmente com os altos índices de violência apresentados atualmente no país. Por isso, um bom circuito de câmeras pode ser o aliado ideal, proporcionando a tranquilidade necessária para ambientes empresariais e residenciais.

Além de ajudar na identificação e resolução de problemas, o circuito de câmeras é capaz de inibir roubos e demais operações criminosas no local. E, claro, como diz o ditado: é melhor prevenir do que remediar.

Pensando nisso, chegamos à ideia deste artigo! O material tem como objetivo ajudar você a descobrir detalhes sobre o funcionamento de um circuito de câmeras, entendendo também quais são os materiais que compõem o sistema. Vamos lá!

O que é um circuito de câmeras?

Basicamente, o circuito de câmeras é um sistema para captação de imagens que permite a vigia. Estas filmagens costumam estar conectadas a uma central de monitores, para acesso remoto dos responsáveis pela segurança do local.

Como explicado anteriormente, estes sistemas conectados a uma rede única servem tanto para fins de vigilância em empresas de qualquer segmento quanto para residências – podendo inclusive proporcionar economias no seguro residencial.

Para detalhar e lhe ajudar a compreender o funcionamento de um circuito de câmeras, podemos separar o sistema em três principais pontos:

Captação de áudio e imagem;
Cabeamento;
Controle de dados.

Quanto ao seu monitoramento, ele poderá ser estruturado de diversas formas. Como exemplo, podemos citar a construção de um circuito de câmeras através do uso de equipamentos analógicos ou digitais.

Confira esse guia completo para empresas e profissionais da área e entenda, em detalhes, tudo sobre circuitos de câmeras e CFTV (Circuito Fechado de TV).

Como funciona um circuito interno de câmeras?

As câmeras captam as imagens e áudios do ambiente monitorado, enviando os dados gerados, através do cabeamento, para a central de monitoramento.

Ou seja, além de ter os equipamentos necessários, é preciso posicionar as câmeras em locais estratégicos e fazer a vigia das áreas selecionadas.

É importante estar ciente de que, apesar destes sistemas terem um funcionamento simples e até mesmo lógico, existem alguns detalhes que fazem a diferença para conquistar máxima performance do seu circuito de câmeras.

A qualidade das câmeras é um dos pontos que devem ser observados, pois uma boa resolução, principalmente em locais mais críticos, poderá ser o diferencial necessário para um monitoramento seguro.

Quais os principais equipamentos de um circuito de câmeras?

Agora que você já sabe a base do circuito de câmeras, vamos destrinchar os equipamentos necessários para a implantação e a finalidade de cada um deles!

Câmeras
Indiscutivelmente, as câmeras de segurança são o ponto inicial e talvez o mais importante do seu sistema. Elas serão as responsáveis por realizar a captura das imagens e áudios desejados. Então, é importante saber a qualidade necessária para que os seus sistemas consigam entregar a performance esperada.

Também é preciso levar em conta a manutenção deste material, sendo esta uma ação fundamental para o serviço de vigilância funcionar adequadamente. Um dos upgrades que você pode pensar, visando também a prevenção de todo o circuito de câmeras, são as conhecidas caixas de proteção.

As caixas de proteção cuidarão do estado básico do equipamento, sendo quase que indispensáveis em ambientes externos, já que os materiais podem ser danificados por intempéries.

Câmeras analógicas ou IP?
A câmera analógica é mais popular – e geralmente possui valores mais acessíveis – do que a versão IP. Mas cada um dos sistemas requer equipamentos específicos, o que pode alterar esse custo.

Caso você opte por ela, será necessário o gravador digital DVR e um HD apropriado para armazenar as gravações de maneira correta.

Já a câmera de segurança IP trabalha com dispositivos de rede, necessitando de internet, LAN ou intranet, utilizando uma conexão já existente para garantir o armazenamento correto das imagens.

Sendo assim, é importante avaliar a estrutura que você já tem, além dos custos envolvidos, na hora de realizar sua escolha.

Cabos
O cabeamento, que liga o circuito de câmeras com a rede de monitoramento, tem diferentes especificidades dependendo do modelo utilizado.

Na maioria das vezes, aparelhos analógicos operam com cabos coaxiais, que são constituídos por um fio de cobre condutor e revestido por um material isolante rodeado por uma blindagem. Já os digitais costumam funcionar com cabos de rede UTP, iguais aos usados em redes de computadores.

Fontes
A fonte de alimentação não tem segredo, porém a importância dela é indiscutível e o espaço neste artigo deve ser respeitado.

Afinal, para que o monitoramento seja funcional, é necessário uma fonte apropriada para a câmera em uso, com conectores em boa qualidade – responsáveis por obter o sinal.

Ainda para aprimorar essa parte do seu circuito de câmeras, o nobreak poderá ser uma boa opção, garantindo o funcionamento do conjunto mesmo com falhas do sistema elétrico.

Monitores
Novamente, apesar de ser um título autoexplicativo, é necessário frisar que é nos monitores que toda a mágica acontece.

Sendo assim, tenha sempre um bom espaço para alocar este equipamento e profissionais de confiança para fazer o monitoramento. A quantidade de monitores depende muito do número de câmeras.

Um dos únicos cuidados que deve ser tomado na escolha dos monitores é de não perder a definição da câmera, dependendo do equipamento que utilizar.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Últimos Artigos

WhatsApp Fale com um atendente